A Roda do Ano e os Sabás das Bruxas

Roda do Ano é um calendário ancestral que registra a passagem de tempo de forma cíclica, como faziam os povos pagãos, em especial os celtas. Hoje, são celebrados pelos seguidores da religião Wicca, por neo-pagãos e por aqueles que cultuam e celebram a natureza. 

Consiste em oito celebrações chamadas de Sabás ou Sabbaths, divididos em maiores e menores. Os quatro Sabás maiores correspondem às antigas celebrações pagãs e celtas e são chamados de Imbolc (Candlemas), Beltane, Lammas (Lughnasadh) e Samhain. Os quatro Sabás menores são Ostara (Equinócio de Primavera), Litha (Solstício de Verão), Mabon (Equinócio do Outono) e Yule (Solstício de Inverno).

Estas celebrações marcam as festas e datas do calendário agrícola dos povos europeus antigos e também os movimentos do Sol e do planeta Terra, marcados pelos solstícios e equinócios. Alguns dos Sabás, como os dos Solstícios e Equinócios, são celebrados de alguma forma desde pelo menos o Período Neolítico, há cerca de 10.000 anos. 

(Este texto tem uma versão em vídeo, que você pode assistir abaixo. Ou continue lendo rolando a tela para baixo.)

Por que celebrar os Sabás?

Qual a relevância de celebrar antigos rituais ligados à colheitas ou as estações do ano, quando tantos de nós vivem vidas totalmente urbanas? Talvez você, assim como eu, sinta uma desconexão em relação a maioria das datas comemorativas contemporâneas, junto com uma necessidade de se ligar novamente aos seus ciclos internos e à sabedoria da própria Terra. Pode ser que você sinta um chamado ancestral de ouvir o que a Natureza tem a te dizer. 

Celebrar esses ritos ancestrais é uma poderosa oportunidade de viver uma vida mais equilibrada, sincronizada com as fases da natureza(mesmo em meio à vida urbana), com mais magia e alinhada com a sabedoria da própria natureza, em equilíbrio com uma passagem do tempo que é muito mais gentil com nossos momentos.

A maioria destas celebrações foram reaproveitadas por outras religiões como o Cristianismo, em uma tentativa de facilitar a adesão por parte dos povos recém-convertidos do paganismo para esta que então era uma nova religião.

A princípio, pode parecer que os 8 Sabás ou Sabbaths são complicados mas na realidade eles são simplesmente maneiras de nos conectarmos e celebrarmos a passagem do tempo e os ciclos da vida.

Muitas civilizações pagãs (pré-cristãs), como os povos celtas, viam o tempo de forma cíclica, diferente dos povos contemporâneos, que tendem a ver a passagem de tempo de forma linear. 

Cada religião ou forma de crença pagã, vai encarar os Sabás de forma ligeiramente diferente. A Wicca, por exemplo, associa os Sabás à trajetória da Deusa e do Deus, em que cada uma das celebrações representa uma etapa do relacionamento destas divindades, mas outras crenças pagãs podem associar cada festa a diferentes deuses. Ainda assim, a essência dos Sabás permanece, ainda que adaptada às diversas práticas e caminhos.

Como a Roda do Ano festeja as estações do ano e as colheitas, é comum que existam duas formas principais de celebrá-los, a Roda do Norte, que leva em consideração as estações do ano do Hemisfério Norte e a Roda do Sul, que é relacionada às estações do Hemisfério Sul.

 Por se tratarem de festividades essencialmente ligadas aos ciclos naturais da Terra, seguir a Roda de acordo com o Hemisfério em que você vive faz mais sentido, até pela conexão à Natureza. Por exemplo, para aqueles que como eu vivem no Brasil, se rodamos pelo Sul, temos as estações de acordo com os momentos que estamos vivendo, e não corremos o risco de celebrar o inverno quando na verdade faz 40º C de calor.

Além de podermos celebrar seguindo a Roda do Norte ou do Sul, há também quem celebre a Roda Mista, em que os Sabás Maiores seguem as datas originais (a Roda do Norte), já que são festividades milenares e tem temas que foram incorporados pelo cristianismo e pela cultura ocidental no geral (a data de Samhain pela Roda do Norte começa em 31 de Outubro e no Brasil, o Dia de Finados em que nos lembramos dos mortos, é 01 de Novembro, por exemplo) e os Sabás menores, que correspondem às estações do ano, celebrados de acordo com as estações da região do mundo em que você vive. Escolha o que faz mais sentido para você. Eu, por exemplo, celebro a Roda do Ano inteira pelo Sul. 

Como celebrar um Sabá?

Eu escreverei um texto sobre cada Sabá, que será publicado próximo a data de celebração de acordo com a Roda do Sul, começando agora pelo Samhain de 2021, dia 30 de Abril. Mas neste texto, trarei um resumo rápido sobre a essência dessas celebrações. 

Cada um dos Sabás traz temas e potencialidades, áreas de nossas vidas e assuntos de reflexão específicos. Eles também têm correspondências próprias(que trarei no texto de cada Sabá), como cores, símbolos, alimentos, entre outros. Todas essas informações apontam como podemos nos beneficiar daquele Sabá para potencializar alguma área de nossas vidas. Os Sabás também representam os ciclos internos que vivemos ao longo do tempo e mais do que uma oportunidade para rituais belos e que enchem os olhos, são chances de refletirmos sobre o que está ocorrendo dentro de nós mesmos e o que desejamos fazer ou não acerca disso em nossas vidas. Por vezes, separar um momento para refletir sobre os temas que um Sabá traz à tona, pode ser tão enriquecedor quanto fazer um complexo ritual. 

Dito isso, eu acredito que mais do que copiar o ritual de alguém, o melhor é que você desenvolva seus próprios rituais. Como? Reunindo elementos das correspondências de cada Sabá, fazendo suas orações e reflexões sobre os temas da celebração e deixando sua intuição fluir sobre como combinar os elementos que você reuniu com pedidos, agradecimentos, encantamentos e o que mais você precisa trabalhar em sua vida naquele momento. Você também pode se juntar a mim em minhas celebrações públicas dos Sabás. 

Abaixo, eu trago um pouco mais sobre cada um dos Sabás, bem como as suas datas de acordo com a Roda do Norte ou do Sul. É importante notar que por se tratarem de datas que celebram os ciclos da natureza, elas mudam ligeiramente a cada ano. Você pode pesquisar no Google em alguma fonte confiável quais as datas corretas a cada ano para a região do mundo em que você vive. Particularmente, eu considero menos importante a data exata de uma celebração e muito mais importante a época em que ela é feita e que seja feita em um dia que você pode e que sente ser o mais apropriado para você e sua vida. Por isso, use as datas abaixo apenas como uma referência e não como uma regra rígida. Está tudo perfeitamente bem se você não puder celebrar o Sabá na data exata de seu início, mas apenas alguns dias depois, inclusive porque tradicionalmente eles eram e ainda são celebrados por vários dias. 

Os Sabás da Roda do Ano e suas datas e temas

Samhain – 30 de Abril a 01 de Maio no Hemisfério Sul, 31 de Outubro no Hemisfério Norte

Com origem nas antigas religiões celtas, é um festival de celebração de tudo que foi colhido no ciclo, e que para muitos é considerado o Ano Novo das Bruxas. Celebramos os antepassados e refletimos sobre o que gostaríamos de alcançar no novo ciclo que se inicia.

Yule – 21 de Junho no Hemisfério Sul, 21 ou 22 de Dezembro no Hemisfério Norte

Uma das mais antigas celebrações pagãs e que inclusive foi cristianizada através do Natal, celebra o Solstício de Inverno, que é a noite mais longa e o dia mais curto do ano. Para muitos grupos pagãos, este é o Ano Novo. Celebra-se o início do retorno da luz, em que o Sol recém nascido traz um recomeço. Celebramos a renovação de nós mesmos e da natureza e a esperança de novos tempos.

Imbolc – 01 de Agosto no Hemisfério Sul, 01 ou 02 de Fevereiro no Hemisfério Norte

Conhecido como Noite do Fogo ou Festival do Fogo, é a antiga celebração da deusa celta Brígida, que rege o fogo, a magia, as artes e muito mais. É a preparação para a chegada da primavera e o recomeço do plantio. Os campos são preparados para que no momento certo sejam plantados. Celebramos a limpeza e a purificação de nós mesmos em preparação para o crescimento, deixando de lado toda a introspecção do inverno, nos abrindo para a criatividade.

Ostara – 21 ou 22 de Setembro no Hemisfério Sul, 21 ou 22 de Março no Hemisfério Norte

É o Equinócio de Primavera, em que o dia e a noite tem a mesma duração. Com o fim do inverno, a luz e o calor do Sol se intensificam. Com o começo da primavera, tudo começa a crescer e se renovar. Celebramos a fertilidade, a renovação e o crescimento como a natureza volta a brotar. 

Beltane – 31 de Outubro no Hemisfério Sul, 30 de Abril ou 01 de Maio no Hemisfério Norte

Esta celebração marca o início do ciclo de plantio e tem o objetivo de garantir a boa vontade dos deuses para que a futura colheita fosse farta. Celebramos a fertilidade, o amor, a saúde e o amadurecimento.

Litha – 21 de Dezembro no Hemisfério Sul, 21 ou 22 de Junho no Hemisfério Norte

É o Solstício de Verão, o dia mais longo e a noite mais curta do ano. A luz está em seu ponto mais intenso, no entanto com a chegada do Outono, ela já começa a diminuir. A natureza está em sua potência plena. Celebramos a concretização de nossos objetivos, assim como os antigos pulavam fogueiras para pedir por saúde, amor, fertilidade e purificação. Agradecemos a bênção de estarmos vivos e pedimos vitalidade e força em nossas vidas.

Lammas – 01 de Fevereiro no Hemisfério Sul, 01 ou 02 de Agosto no Hemisfério Norte

É uma antiga festa celta de agradecimento pela colheita, em que se oferendavam alimentos feitos com os primeiros grãos para que as colheitas seguintes (feitas com as sementes colhidas na atual) fossem ainda mais abundantes. Celebramos aquilo que colhemos, agradecendo pelas colheitas boas e refletindo sobre aquelas que não nos pareceram boas, enfrentamos nossos medos para aprendermos o que pode ser melhorado ao semearmos futuramente. Refletimos sobre nosso nível de consciência de prosperidade e pedimos fartura e abundância. Também é um bom período para pedir proteção.

Mabon – 20 de Março no Hemisfério Sul, 21 ou 22 de Setembro no Hemisfério Norte

Equinócio de Outono, em que o dia e a noite tem a mesma duração. Em muitos locais, coincide com a última colheita do ciclo de plantio. É um momento de agradecer por tudo que semeamos e colhemos e de se preparar para a introspecção do inverno.

Depois de ter lido este texto, o que você entendeu sobre a Roda do Ano? Estas celebrações fazem sentido para você? Pretende celebrá-las? Me conte nos comentários abaixo!
E lembre-se que eu postarei um texto para cada um dos Sabás, próximo a data de comemoração deles, então fique ligado aqui no site!

***

Se você gosta de mim e dos materiais que eu compartilho, é possível receber minhas atualizações especiais direto no WhatsApp! Basta salvar meu contato +55 21 975 248 749 na agenda do seu celular e me enviar um “Oi, quero entrar na lista de mensagens!” e pronto! Sempre que eu tiver algo especial, mandarei para você por lá e você receberá enquanto mantiver meu contato salvo na agenda. Estou te esperando!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *